VIAGEM

A interna sedução,
despenteia a vida, 
revigora a alma,
desalenta tempo,
entontece de formas,
essência.
E o caminhante vai,
descarrilhando a certeza,
estar em um qualquer lugar:
no vagão de algum trem,
ou na imensidão do barco,
ao mar.
Sua rima se perdeu,
pelas pegadas sobre o tempo,
se esvaiu em velocidade,
com a idade.
O viajante caminha,
corre sobre nevoeiros,
passarei-a sob o capim,
dissolve o fundo do mar,
mergulha.
Na penumbra,
olhos mágicos,
visão de fogo,
luz incandescente,
mente abre.
A fuga instantânea,
ilimitada certeza,
corrida infinita,
nas águas da vida.
Espera!
Lá vem o trem!
Salta o andarilho
de dentro das águas,
olha ao redor,
percebe a luz.
ILUMINAÇÃO.

Vanize Claussen
30/08/2015


Postagens mais visitadas