Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2016

SE FOSSE...MONA LISA

Se fosse apenas curvas... Se fosse apenas lados... Se fosse apenas sorriso... O encontro transforma em calma de se ver dentro, a palmilha do encanto em si. São pequenos olhares, traços de certezas, aquecendo no tempo, a fortaleza da vida. Ah! Cantares de sabores! Inquietos desejos, quietos agora. Saudade? Outrora, talvez. Intensamente,  hoje,apenas essência. Movimentos de versos, dentro, em mim. Delícias escondidas, verdades próprias, espelho d'água, única força, alegria de viver, "MONALISA", encantos, continuar  e seguir em frente.
Vanize Claussen 14/12/2016






LIMPEZA DE ALMA

A água 
limpando vai,
dissolvendo estacas, vai passando sobre tudo, descortinando o véu. Saltitando em gotículas, vai entornando  saboroso teor de brilho. A luz anestesia, vai tomando transparência, invadindo o coração. São centelhas vertidas no cálice de verdades, onde a capacidade, ainda intuitiva, comanda a paranormalidade de seu sabor de ser apenas  limpeza de alma.

Vanize Claussen
17/11/2016


ALÉM MAR

Na concepção do tempo que aquece o vento somos flutuantes, intactos de desejos. Fundamentos nas areias da praia, cores cantantes, de cangas, onde o valor, além-mar, encontra-se n'alma, cada um nessa busca. E o tempo exalando forças do amor na busca de nós. Aprendizado de solidarizar o movimento do tempo, aqui e agora.
Vanize Claussen 12/08/2016

EXPERIMENTO HUMANO

O vento vira, na virada dá cambalhota no ar. Vamos olhando... Quantas vezes não vemos! Formação de dizeres que nada dizem, sem dizer nada,  as pessoas que derivam em naus, sem a noção elétrica, vida que os percorre. Mas,  as crianças, que derivam dos anjos do amor, podem expressar na sua leveza a inocência de ser. Adultos, vão perdendo,  crianças vão trazendo. E na simplicidade, observamos, esse lindo  Experimento Humano! Desembocando num rio de imagens que vão se perdendo com o crescimento corporal e o achatamento  mental-emocional que o ser humano sofre. Ah! Vida!  Delicadas funções para aprender!
Vanize Claussen 15/02/2012


MUNDO DIVINAL

Suave ruído do mar, ondas soltando seus leves traços espumantes. Ao longe, passos, descansando ao léu, no olhar natural do azul céu. Na linha do horizonte nuvens leves dissolvendo o destino, traços montanhescos do litoral. Olhar acima e o estado-nuvescal em transformação, desenho branco, enorme pássaro no ar azul.
Bumerangue
que desata nós,
restaurando imagens,
onde raros humanos
olham.
Feixes de vegetação,
ao redor
dessa água cristalina.
E, somente
no fluir da surpresa
somos etéreos,
moradores físicos,
desse Mundo Divinal.
Vanize Claussen 13/02/2013



O POETA

O poeta é o grande  descobridor do que vê, ao redor, das essências, dentro. O poeta  é o vento de ventar em si mesmo, como dança nas águas do mar. Ah! Ser gigante, de escrever almas! Quanta luz! Quanta paz! Fazendo e desfazendo nas brisas mentais a sensação das entranhas!
Vanize Claussen 13/02/2013

FAÍSCA DO AMOR

No desabafo da alma, o encontro, o mais precioso, parte da intimidade, veracidade interior que fascina, aquele, que da leitura recebe a imensidão de imagens, verdadeiras guerreiras contra fortalezas televisivas e digitais. Ah! Delícia de experimento! Falar de dentro o que se vê fora! Entornar na essência de ser apenas a vibrante Faísca do amor!
Vanize Claussen 13/02/2013

RECOLHIMENTO

Vento, folha, céu e mar, tudo isso provocando uma extensão em mim. Verdade intensa numa paisagem, co-criadora do que sou. Vôo além do céu, que incendeia, acalma e liberta: a alma, de tantos anseios. Além daqui, dimensões infinitas aguardando o recolhimento. Saltam desejos de amar, viagem de cores pululando imagens perdidas, querendo mais. E na busca constante, vamos dissolvendo cantares em olhares da alma: Transparência e luz.
Vanize Claussen 28/06/2011

ESCOLHAS

Burburinho, frases soltas, sons perdidos, lentos... Tão distante e perto, vai além  do que penso, imensidade de escolhas, satisfação de idéias. Ressaltam imagens, pedaços articulados da infância. Gratidão e mensagens que invocam certezas, peças de um quebra-cabeça, infinito eterno. E a visão? Depois? Onde estaremos? Detalhes apenas de corpos no mundo, aprendendo, ensinando, descobrindo mistérios. Composição de idéias que retornam a um presente longe... passando, os olhos observam, ouvidos atentos, ruminando.
Vanize Claussen 28/06/2011


FASCÍNIO DE VIVER

Nada me prende tudo me fascina. Sou andarilha da vida e vou sair, voar sobre a rotina, descobrir o mundo na viagem, abstraindo do bem para amar. Apenas, buscando,  incessantemente, a resposta. Proposta tentadora de construção, parte em tema, outra ar. Culminância, história, certeza de encontrar, fascínio de viver.
Vanize Claussen 28/06/2011



ILUMINAÇÃO

Meus projetos, discretos, solucionam, reagem, transformam força, nascente de paz. São centelhas, certezas, cachoeiras de luz na vida, VIDA... A canção acalenta, distrai, reanima, orienta a flor, amor em toda parte, ARTE. Verdadeiras alavancas, sensuais,  intelectuais, arrumando o experimento, na sensação maior da LUZ, apenas Iluminação.
Vanize Claussen 03/10/2016

DEPOIS

Cada coisa que faço, tem que ter a calma, a alma, o passo. E na corrente, jardineira da vida, o compasso do abraço. Deslizando dentro, no amasso da essência, intermináveis beijos, a fortaleza da alegria, cantando sabor do horizonte perdido, em muitos, que agora, sempre, inquietante paz, invade. Vou entoando música, imperceptível beleza, interna, externando além corpo, a alma feliz, o amor à vida, a sabedoria  da transformação. Intuição real do depois.
Vanize Claussen 26/09/2016


DENTRO

Vejo-me dentro, dissolvo o fora... percebo ao contorno, retorno. Dentro abro-me, discretamente observo, o expandir do vento, elemento dentro, ao contorno. Volto-me fora, vejo dentro, expandindo... Totalmente, ardente dentro. Recebendo...
Vanize Claussen 25/09/2016

CORPO ÚMIDO

Os beijos, alentos desejos, que incendeiam minh'alma, saboreiam meu ventre-luz, reluzindo estrelas. O compasso, no traço rítmico, do teu abraço quente, dilata pupila, antecipa prazer. Sua saliva louca, engole minha boca, esquenta minha paz. E seus dedos, atentos, escorrendo no meu corpo úmido, vai fazendo viagem, expandindo coração, na ventania louca do gozo voraz. Ah! Quanto querer! Apenas mental no teu sonho incapaz de chegar em mim!
Vanize Claussen 21/09/2016



SALIVA DA BOCA

Saboreia vida, aglutina saliva na sua boca, saboroso calor, que entontece, revive calor, corpo ardente. Descobre útero, passeia na pele, entontece de sabor. Enlouquece tempo, retraindo e atraindo, dentro da teia, insana certeza. Imagens, passado, presente, futuramente aqui... experiência intangível, totalmente invencível, amor de cigano, tempo de clareamento, dentro, paixão aplacada. Revoada de pássaros, dizendo apenas: cheguei.
Vanize Claussen 20/10/2016



QUERER INQUIETO

Solto-me, absorvo alma e encanto. Vou goderando vento, temperamento, brisa inquietante, descortinada de luz entranhas de útero, ressurgindo, aumentando, solavanco, e voltando... São pensamentos, verdades, vontades, saídas, tesão. Volátil experimento, sedento, partindo, voltando, com alegria, coração. Amor inquieto, que sobrevoa entoa canção. E, na leveza da brisa, construção, casa nova. Cheiro de madeira, alicerces fortes, chegando,  cantarolando, invadindo, abrindo comportas, antes tortas, agora leves. Breve ruído, acetinado, lindo, formigando luz. Ah! Querer inquieto! Vem ficar comigo!
Vanize Claussen 20/10/2016



SALTO ALTO

O medo que te provoco,  fascina e entontece, de não saber  onde e quando  falar. Mas a brisa da manhã  aquece em pensamentos, onde, nem sonhos podem torturar meu ser interior. Seu salto eloquente nas águas, onde a idéia veio a galope , te trouxe feridas, que antes, não tinhas na alma. Agora,  em meu salto alto, ainda que despreze a minha vida, digo-te: Sei que irá procurar-me. E quando me achar, se espantará, por ser tarde. Linda e alegre estarei, bebendo os melhores  vinhos, e sendo apenas feliz por ser quem sou e estar de Salto Alto na vida.
Vanize Claussen 06/07/2012