Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2015

PASSANDO

Tudo passa nessa vida, passadeira, passaralho, passarinho, passageiro, passa quatro...
E tudo vai passando em revoada de luz... Até ferro passa roupa! Quem diria então, que a água não vai passando?

Tudo passa,
as vezes repassa, transpassa em momentos instantâneos em movimentos presentes.

Nem o tempo,
nem mesmo o espaço, podem impedir que passe, o enlace num instante, os segundos da vida, de passagem por aqui.

Vamos passar então!
Desfiando nossos sonhos, desfilando as idéias e desatando o amor num fomento de alegria.

Beijos, fui...
estou só passando.

Vanize Claussen
14/02/2015

ESTRELAS

Choques... dissolvidos numa verdade, insana, profana de apenas viver, deixar ir para que venha... Apenas, sentir... ao longe, o vento, o canto dos passarinhos amanhecendo, dentro. Os sons realizantes no cantar estonteante de prosseguir, sem medo... apenas seguir em frente, olhando estrelas.

Vanize Claussen
06/12/2014

IMPLACÁVEL

O gosto do sol amanheceu o dia, trazendo fortalezas invisíveis e pensamentos realizadores. O discreto ventar acalora o corpo da brisa quente da manhã. São os primeiros momentos habitantes da alma que acorda. A claridade invade, casa a dentro adentra soltando raios de amanhecer. A imaginação aflora   dissolvendo ranhuras das paredes mentais, entrecortando fórmulas, antes ditadas, numa resolução definitiva. Não há contradições, mas uma certeza que as amarelas paisagens ficaram para traz. Agora, o som passarinhal, junto aos latidos, nesta manhã de domingo, em setembro, soltam-me, tecem-me, amortecem as entranhas do meu amor... e passam percebidos no ressurgimento, de passos firmes vou. E assim, cantando, vou navegando a vida esperando a data incrível que serei a rainha do amor, implacável, impecável. O vento não machucará, a mente não mais reverterá. Seremos uníssonos no amor e na arte de amar.
Vanize Claussen 14/09/2014



SENTIDO

Hoje, a estampa do tempo, traz a brisa do nevoeiro chegando. Minha alma sobrevoando a vida, dissolve temores, antes contidos. Não tenho pressa mas não arrasto tempo. A solução acontece, gradativamente, no elemento inquieto do coração apertado. Solvendo as flores, que entregues foram, recebo rosas vermelhas de teu amor inquieto, mas perfeito para mim... E a poesia vai saindo, caminhando na estrada, inquietando outros corações, acalmando afins, acalentando almas, num abraço imparcial, virtual e humano. Assim o tempo grita soltando pétalas da vida nos momentos de amor. Assim a rosa exala o perfume do teu cheiro flor, em mim. Nasce agora a esperança, no sentido de passagem, aqui.
Vanize Claussen 12/09/2014