quarta-feira, 28 de maio de 2014

A TODO MOMENTO

               Tantas e tantas coisas acontecem a todo instante e nem percebemos, na realidade nem vemos. Por muito que tenhamos a vontade de ver, somente olhamos “o que nos interessa de verdade”, lá dentro da alma ou apenas exteriormente falando dependendo do que se aprendeu a ser. A vontade de estar naquele momento, naquele lugar e com aquela pessoa, por muitas vezes se dissolve pelo fato do descaso que se é dado pelo outro em nosso movimentar de vida.
                Então questiono aqui o motivo de muitas pessoas que tantas vezes se dão conta que estão num casamento ou namoro errado para sua alma e, mesmo assim, continuam nesse emaranhando querendo satisfazer, talvez o Ego, talvez à visão que os outros desenvolvam em relação à pessoa.
                E tantas pessoas corajosas que, descobrindo o lado negro do outro, ainda assim, amam e continuam o relacionamento. Muitos querem o “objeto de sua afeição” apenas para satisfazer-se em breves momentos, únicos, que fazem parte de uma rotina de sua fulgaz lição de vida.
                Ainda temos aqueles, que por vezes, em seu sofrer prisioneiro de alma, se acham donos do objeto de sua afeição. Esses são os piores casos, que levam ao inferno a alma, onde não existe fundo, apenas a perca de si mesmo num emaranhado de introjeção no outro.
                A todo o momento podemos amar independente de estarmos ou não amando alguém, o animal de estimação, a flor, a borboleta. Somos seres espirituais vivendo neste corpo tentando se adaptar as conjunções terrenas da maneira mais facilitadora.
                Muitos ainda não conseguem entender a passagem de aprendizado que acontece aqui, então a solução, por vezes difícil é morrer ou mesmo tirar a vida de alguém e se matar para tentar se livrar daquilo que não conseguiu aprender. Mas se estamos aqui, certamente temos algo para auxiliar numa evolução que não é material, disso tenho certeza.
                Não condeno, e muito menos quero julgar os atos de qualquer um, apenas através de meditações sobre o amor vou desenvolvendo pensamentos em relação aos sentimentos humanos. Quantas vezes somos egoístas! Quantas vezes queremos o amor somente para nós!
                Mas viver dentro de um corpo humano nos ensina a sentir como é uma expiação de alma, um purgatório talvez da emoção que não saberíamos como acontece fora do corpo, talvez.
                Sinto-me invadida de pensamentos, muitas vezes, que me levam muito além de tantas e tantas situações que vivi nesta ainda vida. A libertação da alma e o seu conhecimento não depende de ninguém exteriormente, mas de soluções em relação ao próprio EGO.
                Quando, num pulsar de vontade, conquistamos a certeza de detonar aquilo que nos prende a coisas da matéria, sabendo-nos espirituais, teremos a facilidade da visão de águia, ou abertura da terceira visão, ou ainda o encontro do cálice do Graal, ou então a viagem no astral definida, etc.
                A paz que invade minha alma acontece apenas pela minha permissão, portanto tudo que entra e está dentro de cada um, foi ato permissivo do próprio por uma necessidade de passar por aquilo para entender o que ainda não foi entendido.
                Consigo vislumbrar a luz, que por vezes quer permanecer e em muitos momentos a afastamos pela vida agitada e desconfigurada, que nós, ao estarmos em aprendizado corporifico, deixamos de perceber: as flores, os pássaros, a terra macia, os animais, a natureza em total conformidade com o divino que habita em nós.
                Isso se dá pelo fato de termos enredado neste planeta numa conjunção equivocada do sentido de criação para o TER e não para o SER. Então o sentido de estar aqui, com tanta tecnologia e tantos meios produtivos para que nós pudéssemos evoluir em harmonia com os outros e com a natureza ainda está capenga e cheio de mesmices.
                Quando percebo governantes e pessoas que receberam o privilégio de comandar qualquer coisa e simplesmente não sabem realizar sem roubar ou fazer o melhor trabalho, sinto-me invadida de certa melancolia, num pensamento de que poderia acontecer diferente se todos fossem mais espirituais, não no sentido de estar dentro de um templo, mas espirituais de existir para o BEM acontecer.
                Talvez eu não seja deste mundo, acho que estou somente de passagem, e quero deixar aqui uma flor para que o amor possa, mesmo engatinhando, ser levado em cada coração para que se realize o melhor no que ainda há de vir.
                Sobreviva o amor A TODO MOMENTO.

Vanize Claussen

21/06/2013

terça-feira, 27 de maio de 2014

DESCENDO A LADEIRA


Cansei de esperar,
o tempo,
passagem singular,
cansei...
Porém descansei,
pois amar
é regar com alma
o vento no tempo,
estar...
Cansei de não ser regada.
Na estrada,
caminho,
quente...
E em flores e cores,
me transformo
numa passageira,
insana, profana,
discreta, MULHER.
Mas sou ventania
que emana,
lateja
e não pode parar.
Saio,
a arte sai de mim.
Chego,
alimentada de sabores,
letras, cores...
E no verso respiro,
sinto,
poetizo a vida,
atenta,
saboreando os contornos.
Sigo desleixada, 
cabelo solto,
a nova vida.
Sem aflição vou,
cantando mar adentro
num sussurro
de palavras inquietantes
a quem lê.
Vou desligando mundo,
interiorizando espaço,
soltando tempo
de cada laço estreito.
Sem jeito, saio
como jamais fiz.
Então,
descendo a ladeira
em direção ao mar,
caminho de luz,
estou, 
suspirando...apenas.

Vanize Claussen
08/05/2014

AMOR MADURANDO


Sou o tempo,
sou a chuva,
a radiestesia 
de tua boca,
que encosta a minha.

Sou teu toque,
o trovão,
derramando a certeza
na claridade infinita.

Busco-te na destreza
de um águia,
agitando-se, esguia,
a subir...

Sou teus olhos,
teus anseios,
tua face
a me olhar,
e a brisa
me percorre.

Quando te vejo
em mim,
experimento
amor madurando.

Vanize Claussen
23/03/2014

ENCANTO


Na alvorada suave,
com passarinhais cantantes,
ouço sons de carros, (raros)...
e ainda com sonho,
dentro da vestimenta ALMA,
vou refletindo vida,
vou espelhando paz.
Absorvo detalhes,
presenças de tantos,
movimentos vividos!
A água fervida
vou soltando
e o cheiro do café,
subindo,
dá sensação de manhã.
O desenho de bolhas,
na borra,
vai trazendo arte.
O céu ainda,
com sorrateiras nuvens,
traz vento.
Vou observando os detalhes,
breve espelho refletido,
por dentro,
onde o encanto
é ser sensibilidade.

Vanize Claussen

23/02/2014

AMOR


Pétalas de rosas vermelhas,
muitas...
óleos aromatizantes,
velas aromatizadas,
um vinho tinto seco e
duas taças lindas...refletindo as luzes cálidas das velas
e um tom amarelado refletindo as paredes
onde as sombras estão balançando e iluminando o quarto.
Ah! Esse amor que não chega!

Vanize Claussen

SE ASSIM FOR


sábado, 24 de maio de 2014

AGORA

                                   
O lugar é agora
Num tempo sem demora,
Que aproxima a hora,
De não mais despedir...
Ir...
Como pássaro voando,
Pousar na janela sem espera,
Deixar se levar no tempo...
Momento eterno...
Um vôo razante
Na razão de existir...
Aqui
Como teu amor,
Somente isto basta.

         Vanize Claussen

        21/01/2004

sexta-feira, 23 de maio de 2014

SE ASSIM FOR

Amo-te,
como forasteiro em mim,
de fora e dentro
me causando orgasmos,
DIVERSOS,
espasmos de alma,
visões latentes,
lampejando a mente,
experimentando a luz.
Amo-te,
na certeza espiritual,
em nós,
causa ínfima
para eu ficar,
ainda,
se verdade for...
Por Deus,
Ficarei!
Mas abraça-me,
com alma,
na cama com calma,
me faz suspirar,
ouvir,
falar,
te amar infinitamente.
Me faz repousar,
dormir ao teu lado.
Fica presente,
no apelo de nós.
Ganhe tempo
perdendo-se assim,
dentro,
para eu perder-me em ti.
Se assim for,
estarei,
ficarei,
te amarei
até o final de mim,
assim,
sem medo,
namorando-te
de versos,
de brisa,
de paz,
de luz,
de verdade.
Me seduz de amor,
como flor,
ganhando-me
para sempre,
se assim for.

Vanize Claussen

23/05/2014




segunda-feira, 12 de maio de 2014

ESPELHO

Espelho da lua,
cortina de tempo insano,
destino...
um pedaço revestido,
amor repartido,
talvez o céu possa entoar
os olhares e cantar.
A luz latente,
o incerto tremor,
por dentro da barriga,
esperança de mudar.
A centelha vencida,
das cores invertida,
eternamente espaldeando,
colorindo,
serpenteando
a brisa que chega devagar.
São discretos gemidos,
enlatados, enrustidos,
que vagueiam
nos escudos densos da vida.
E na frente a atitude vagueia
fulgurando penumbra, ainda.
O inquietante desejo,
vai se desfazendo , no beijo,
alarido multicolorido do amor.
O universo conspira,
expira, inspira...
trazendo em si
a fórmula exata,
perfeita, estreita,
no ato de construir.
Saudade!
No profundo oriundo
do desgastado mundo,
certeza,
evolução.
A paixão se foi,
breves toques ficaram,
uniram-se de paz.
Agora,
simplesmente,
na fila,
aguardo.
As chaves paradas,
o celular vazio,
o brilho intenso,
o choro,
partida.
Deleite de alma,
Calma,
na cama vazia ainda,
espelho de si mesmo.
Saudade do outro,
que nunca esteve ali,
ao seu lado.
Tosco inquérito,
intrépido tormento,
de sabores infinitos,
onde  amargo,
doce fica
atenciosamente perdido.

Vanize Claussen


12/05/2014

sábado, 10 de maio de 2014

MÃE

PARA MINHA MÃE EDINAR CORRADINI


Nas fortalezas da alma
escondo um segredo,
aquele,
que gerado antes,
foi evento circunspecto
dentro do ventre.
A mãe, que
gerando sua filha,
entornou nela,
caudalosas veias
na arte de ser.
Onde a paisagem
placental
envolveu segredos 
oriundos do amor,
cobertos de certeza.
Sabendo-se que
ser mãe
é apostar no tempo,
é ser alma e acreditar
que tudo vai dar certo.
A claridade
emanada da ligação,
de vida,
entre mãe e filha,
tornou-se 
eterna centelha .
E no reinado da existência,
instalou-se
inquieta vida
em seu ventre MÃE.
Esta pequena, 
vinda de um ato de amor,
saída, acalentada,
no gozo quente do pai,
foi instalada em seu ventre. 
Dissolvido em segredos
do ato de amar
através da criação,
onde Deus,
colocou-se
através de todos humanos e,
saboreando vidas,
formadas
num breve vínculo
do espermatozoide,
aquele único,
que entrou em seu óvulo,
habitante de seu corpo
e me formou.
A vida que me percorre
faz parte de tua essência,
que clarificada vai mostrando
o ato de abstrair
o que não nos traz felicidade.
MÃE,
a tua vida me gerou,
me guardou,
e me envolveu
durante nove meses,
onde a força estava
no coração e alma.
Hoje apenas vibro cantante,
ser filha de quem sou,
escolhida por Deus
para auxiliar minha evolução,
aqui, neste planeta.
Obrigada pela vida,
por me deixar nascer.
Amo-te 
mesmo sem percepção,
canto orações por ti.


De sua filha

Vanize Claussen

10/05/2014



Postagem em destaque

FLORAÇÃO

A floração, dentro, aquece sentidos, ver é estação. Sobrevoa a luz, transformação. Imagens, brilhos, água, cores. Sorr...