Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2012

A TELA

Me deixo levar nas águas da imaginação, procurando não conter as palavras que percebo. Deixo fluir de mim tudo aquilo que sou. Sou vento, terra, água e sol... A cortina se abre no espetáculo do que sou. Percebo as linhas, já não são mais confusas, se dissolvem de alegria pelo encontro de si mesma. O céu se abre em versos onde acontece, na tomada do tempo, a tempestade de idéias. A criação vem a galope e fazer já se torna algo visível e palpável. Posso sentir a imaginação se transformando em realidade, basta apenas experimentar o gosto do prazer nas cores reluzentes tombadas na tela. O amor acontece e somos feitos um do outro. Elemento por elemento se misturando em tintas num quadro sem mistura. A composição transforma, num leve movimento, toda caminhada de uma vida. Agora é o prazer de pintar E ser completamente feliz.
Vanize Claussen 
01/11/2010

PAIXÃO & AMOR

A paixão arde,
Sufoca, queima.
O amor acalma,
Esquenta, aproxima.
Quando apaixonados
Somos flecha suicida do amor,
Quando amando
Somos fogo interior de vida,
Onde nada abala.
A paixão nos desatina,
deprime, transforma...
Algo desconhecido, fora de controle.
Não enxergamos, a não ser,
Nosso alvo.
O amor sustenta,
Mesmo na distância,
Como a flor que não se importa
Com o frio do inverno.
A paixão quer mais,
Se não tiver, se irrita.
O amor fica em paz por amar,
Não se detém em porta alguma,
Vai passando de fininho,

TRANSBORDAR

Mulheres, homens, Vegetais ou não, São simples, Matéria viva Que transbordam Do outro lado do ar...        doar...               do ar...                      doar...
Vanize Claussen

CHUVA

Dentro dos meus olhos existe uma chuva, que aguenta com ela mesma por que existe.
Vanize Claussen
(Este Haicai faz parte da Agenda 2013 All Print Editora)

A OBRA

Vejo sobre a tela A incerteza protagonista Do amor, Onde pedaços se rompem, Cruzam e libertam Profundezas da alma. Nas curvas velozes São injetadas cores, Milhares delas fluem Na superfície texturizada, Formando poderosa proteção De uma alma que reluz. Ambiente gracificado, Resplandecido de êxtase, Obra repleta, iluminada De sabor com pedaços Do lixo urbano, Numa aventura, Indescritível, De música, Como se cantasse.
Vanize Claussen Corradini
(Poesia dedicada a exposição dos trabalhos dos irmãos campana – CCBB/RJ 17/03/2012)

EXPERIMENTAR

Experimento,  tempo de chuva,  calor das cobertas,  risos na vizinhança...  Música sertaneja fora do quarto,  filha no computador.  Mãe enrolada nas cobertas, absorta,  as vozes da televisão.  Água caindo forte,  carros passando na rua.  No aconchego do lar,  na cama, escrevo,  dissolvo palavras que me vêm a mente.  Chá quente ao meu lado,  na mesa de cabeceira,  anestesia minha vontade  de experimentar estrelas neste poema. 
 Vanize Claussen
 17/03/2012

ESCREVO

Na verdade escrevo,  com alma,  a calma que percebo da vida,  nos deslizares do amor;  o que recrio na forma  de fazer poemas  e encher o íntimo,  soltando linhas  buscando coração.  Escrevo apenas,  como canção.
 Vanize C. Corradini 17/03/2012

PERCEPÇÃO

Que eu encontre em você,  mesmo na distância,  na epiderme de alma,  as linhas deste poema.  E quando me fala em ‘calma’  que seja arrebatador  o pulsar do gozo,  que anestesia meu corpo.  Que seja leve o sopro  no sonho da vida,  mas que intenso fique  em nossa percepção. 
Vanize Claussen 
 17/03/2012

SEDE

As folhas secas,  os passos largos  e a certeza do afago,  e o calor do sol.  Na floresta o poço,  lugar de querer ficar a banhar-se,  onde borboletas  irradiam asas voadoras  num colorido mágico,  e o brilho reflete  a luz do dia  num poema vivo  da água a molhar meu corpo,  sedento,  de natureza. 
Vanize Claussen
 17/03/2012

Cachoeira dos Frades - Teresópolis/RJ

HUMANO INTANGÍVEL

Como música,  existe o toque,  aquele que exala,  expande a alma  ao universo íntimo.  Apena há encontro,  onde,  sem interferência,  se deixa abstrair  para a viagem profunda.  Ah! Esse céu de imagens!  Tudo transformando-se   e rapidamente evoluindo!  O passo foi dado,  fortificando ossos da imaginação,  onde tudo é extremamente sagrado,  e, o toque da criação nos transforma  e acalanta em seu colo,  para fluir no som profundo  da imagem intangível de ser humano. 
 Vanize Claussen 
06/10/2012

Livro Eterno Olhar

ÁGUAS DA IMAGINAÇÃO

Preciso estar em meu quarto,  sob o retrato vivificado de amor.  Não posso esconder-me do tempo,  nem ter um lamento,  apenas preciso cantar,  traçar letras no espaço  e sideralizar o tormento  de imagens distorcidas,  mas que sairão limpas  no sabor de teu beijo.  Teu afago em meu corpo  anestesia minha alma,  e, me faz lembrar  a esperança do amor.  Assim vou cantando  este movimento interno,  deixando falar,  me debulho de imagens,  me visto de palavras  e caminho sobre águas  da imaginação ardida e quente,   como fogo,  incendiando o coração . O amor nascendo,  num simples instante. 
 Vanize Claussen 
05/08/2012

CIGANO DO TEMPO

Te amaria,  infinitas vezes,  neste teu jeito moleque-maduro  de encarar a vida:  Pérola de Sabores.  Tantas delícias ainda por vir!  Cigano do tempo,  de experimentar com vontade,  é você homem-moleque,  inebriando meu ser  de vontade de ficar,  na temperança do abraço  e em seu beijo mergulhar...  Nesta percepção,  incrivelmente atual,  redescubro um novo ser  que me fascina cada vez mais.  Vejo luz, vejo vida, muita vontade a expandir...  e na sensação de estar perto,  tenho a certeza que as linhas,  que escrevo,  falam de um homem evoluído,  não exteriormente,  mas na alma-artista-criança de viver a vida. Vanize Claussen 
12/10/2012

A TELA

Me deixo levar  nas águas da imaginação,  procurando não conter  as palavras que percebo . Deixo fluir de mim  tudo aquilo que sou.  Sou vento, terra, água e sol...  A cortina se abre  no espetáculo do que sou.  Percebo as linhas,  já não são mais confusas,  se dissolvem de alegria  pelo encontro de si mesma.  O céu se abre em versos,  onde acontece,   na tomada do tempo,  a tempestade de idéias.  A criação vem a galope  e fazer já se torna algo  visível e palpável.  Posso sentir a imaginação  se transformando em realidade,  basta apenas experimentar
o gosto do prazer  nas cores reluzentes  tombadas na tela.  O amor acontece  e somos feitos um do outro.  Elemento por elemento  se misturando em tintas  num quadro sem mistura.  A composição transforma,  num leve movimento,  toda caminhada de uma vida.  Agora é o prazer de pintar  e ser completamente feliz. Vanize Claussen 
01/11/2010

O METRÔ DE SAMPA

As pessoas passando  entrando no trem...  e o zigue-zague,  sem capricho,  ecoando por debaixo da terra,  em várias linhas:  azul, amarela, vermelha e verde.  Milhares de pessoas,  na correria do dia a dia,  em direção ao trabalho,  ao estudo, ao passeio algumas...  Sensação absorta de rapidez,  que sem igual,  leva as pessoas a distâncias enormes  de uma capital latente  de cultura e arte,  de princípios e luz.  Ah Grande São Paulo!  Irradiada de grandes personas,  com grandes valores!  Levando em seu ventre-mulher,  os trilhos velozes das linhas coloridas do Metrô. Vanize Claussen
30/08/2012

PALAVRAS

Leve,  Pesado,  Discreto,  Decente,  Indecente,  Total,  Final,  Início,  Completo,  Complemento,  Descendo,  Subindo,  Riscando,  Surtando,  Voltando,  Sublimando,  Ecoando,  Dentro,  Fora,  somente,  agora:  palavras. 
 Vanize Claussen 
18/05/2012

DOUTOR DA POESIA

Doutor da poesia  seria uma expressão  sem noção,   por causa da estação  que não enxergamos  no interior do poeta.  Sendo ele,  Fruto da Terra,  onde percebe,  pelas suas mãos  escorridas na areia,  relata a fase que passa...passa,  e transforma quem passa,  retratando sua emoção  na distração de muitos:  a chegada,  o esplendor,  que é a poética de sentir  o existir da vida. 
Vanize Claussen 12/07/12

O POETA

O poeta se veste de cor,  de brisa, de luz...  Traduz nos versos  a canção de sua alma.  Invoca o que ninguém vê,  transmuta torrencialmente  seu ser em imagens de essência,  onde olhos de águia podem ver, tocar  e somente pela beleza  a vida expandir...  É factual dormir,  quando se tem olhar de poesia! 
 Vanize Claussen