ESPELHO

Espelho da lua,
cortina de tempo insano,
destino...
um pedaço revestido,
amor repartido,
talvez o céu possa entoar
os olhares e cantar.
A luz latente,
o incerto tremor,
por dentro da barriga,
esperança de mudar.
A centelha vencida,
das cores invertida,
eternamente espaldeando,
colorindo,
serpenteando
a brisa que chega devagar.
São discretos gemidos,
enlatados, enrustidos,
que vagueiam
nos escudos densos da vida.
E na frente a atitude vagueia
fulgurando penumbra, ainda.
O inquietante desejo,
vai se desfazendo , no beijo,
alarido multicolorido do amor.
O universo conspira,
expira, inspira...
trazendo em si
a fórmula exata,
perfeita, estreita,
no ato de construir.
Saudade!
No profundo oriundo
do desgastado mundo,
certeza,
evolução.
A paixão se foi,
breves toques ficaram,
uniram-se de paz.
Agora,
simplesmente,
na fila,
aguardo.
As chaves paradas,
o celular vazio,
o brilho intenso,
o choro,
partida.
Deleite de alma,
Calma,
na cama vazia ainda,
espelho de si mesmo.
Saudade do outro,
que nunca esteve ali,
ao seu lado.
Tosco inquérito,
intrépido tormento,
de sabores infinitos,
onde  amargo,
doce fica
atenciosamente perdido.

Vanize Claussen


12/05/2014

Postagens mais visitadas