DEPOIS

Cada coisa que faço,
tem que ter a calma,
a alma, o passo.
E na corrente,
jardineira da vida,
o compasso do abraço.
Deslizando dentro,
no amasso da essência,
intermináveis beijos,
a fortaleza da alegria,
cantando sabor
do horizonte perdido,
em muitos,
que agora,
sempre,
inquietante paz,
invade.
Vou entoando música,
imperceptível beleza,
interna,
externando além corpo,
a alma feliz,
o amor à vida,
a sabedoria 
da transformação.
Intuição real do depois.

Vanize Claussen
26/09/2016



Postagens mais visitadas