QUERER INQUIETO

Solto-me,
absorvo alma
e encanto.
Vou goderando
vento,
temperamento,
brisa inquietante,
descortinada de luz
entranhas de útero,
ressurgindo,
aumentando,
solavanco,
e voltando...
São pensamentos,
verdades,
vontades,
saídas,
tesão.
Volátil experimento,
sedento,
partindo,
voltando,
com alegria,
coração.
Amor inquieto,
que sobrevoa
entoa canção.
E,
na leveza da brisa,
construção,
casa nova.
Cheiro de madeira,
alicerces fortes,
chegando,
 cantarolando,
invadindo,
abrindo comportas,
antes tortas,
agora leves.
Breve ruído,
acetinado,
lindo,
formigando luz.
Ah! Querer inquieto!
Vem ficar comigo!

Vanize Claussen
20/10/2016




Postagens mais visitadas