Pular para o conteúdo principal

SE FOSSE...MONA LISA


Se fosse apenas curvas...
Se fosse apenas lados...
Se fosse apenas sorriso...
O encontro transforma
em calma de se ver dentro,
a palmilha do encanto em si.
São pequenos olhares,
traços de certezas,
aquecendo no tempo,
a fortaleza da vida.
Ah! Cantares de sabores!
Inquietos desejos,
quietos agora.
Saudade?
Outrora, talvez.
Intensamente, 
hoje,apenas essência.
Movimentos de versos,
dentro, em mim.
Delícias escondidas,
verdades próprias,
espelho d'água,
única força,
alegria de viver,
"MONALISA",
encantos,
continuar 
e seguir em frente.

Vanize Claussen
14/12/2016






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MEUS OLHOS

Recordo, dentro em mim, nas montanhosas correntezas de sabores inesquecíveis, os efeitos sutis das graças infinitas. O espiritual sobrevoando as águas, levemente brilhante, levando-me como num tobogã de imagens da infância.
São mazelas de cheiros,
de toques,
de sagacidades,
onde revoam feito 
pássaros iluminados
as azuladas montanhas
de colorações variáveis.
Água da chuva,
vento sutil,
chegando qual criança
através do plástico bolha
cheio de luz.
Uma revoada de idéias
incendiando a imaginação
das crateras latejantes
das tintas na tela.
Ah! Tempo de visões,
onde tudo e nada
se encontram 
na plataforma da vida.
Gigante,
grande temperatura
voltando através
dos meus olhos.
Visão infinita,
correnteza de paz
e fagulhas desse amor.
Assim nasce meu coração,
novamente.

Vanize Claussen
10/03/2018





TOQUE

A brisa toca e na leveza da vela solta vai empinando a pipa, vai saboreando espuma, confiscando paisagem de ver-se, totalmente dentro, na vaga lembrança uteral de alma. São os novelos, envelhecidos, formados  por fagulhas antigas, que, soltos, evaporam no ar. Sublime desejo, partir, ir num passeio além, totalmente integrada na novela da vida, nos países de lá e de cá, simplesmente ir. Ah!  O peito aberto de luz, vai clareando o caminho, iluminado de cor! Sorrateiramente, nas enevoadas  e estreladas matas de tantos lugares, de tamanhos imensos, vou retirando a seiva, vou escolhendo a textura e pintando  os espaços acordados. O gozo se espalha dentro e fora, vai se entornando na mania de arte, vai transformando pessoas comuns em gente humana. Ah! a Humanidade! Quanta beleza, quanta saudade! Sentimento inquietante, muito além de certezas, a framboesa do abismo,  mas tendo certeza da verdade individual e de toda a verdade unificada elétricamente nos gorjeios das saudades... Epopeicamente, indiscretamente, me refiro ao largo tempo das colisões va…

EXPERIMENTO

O corpo morto, fundido no tempo, dissecado  nas áureas sensações de experimento. Jaz, fertilizado, usado saborosamente nos inquietos rumores, discretos anseios do formigamento das emoções famintas de carrancudo medo da felicidade. Soterra, dentro, as vazias sentinelas, todas elas facetas inaproveitáveis, improváveis azuladas, suas cascas. E nas rodas, rotas, passadas no toco, caminhos sem fim, o humano perdido, reprovadamente, sorrateiro, comento seu próprio prazer escondido: a fome. Sorvendo, aglutinando saliva, vai roendo  sua própria barriga. Ah! Pensamento! Que tempo turvo, e primitivo humano estou vendo. Limpa-me, saúda-me, traz paz que na infância tinha muito mais. Que o Criador da criação olhe por cada um de nós, hoje e sempre.
Vanize Claussen 29/05/2018