RETRATO

Os ruídos expiram, 
espassam,
espessas nuvens 
ao chão. 
Os rumores esguios, 
refrescam,
restauram,
águas claras,
intactas corredeiras. 
A visão humorista 
propaga, 
perdula,
penteia inexatidão. 
A clareira afoga, 
refoga,
retrato de uma paixão,
pendente, 
descrente,
na ilusão latente 
do olho cumprido,
escorregadio de sua mão. 
Um retrato perdido, 
esquecido, 
inconstante, 
incomodado
com minha leve visão. 
Até breve homenzinho... 
fui saindo de mansinho 
dessa sua rotação.
Que horas vai acordar? 
Talvez eu tenha um palpite...
Na hora da despedida 
de sua alma gêmea aqui. 
Até breve irmãozinho, 
tenha certeza que além 
vamos entender tudo isso,
que jaz na memória discreta 
dessa mulher poeta.

Vanize Claussen 
08/08/2015

Postagens mais visitadas