SER LUZ

Os ventos sopram
sem correntezas,
discreto apita
rumo a seguir em frente.
Já não existe medo,
mas um acordar,
onde a criança,
que dormia,
alegra-se pela manhã
de setembro.
E no saltitar
do sol aquecendo
o frio,
vagueio em pensamentos
olhando as flores
da janela.
Ouço os pássaros,
que alegres,
cantam a vida.
Percebo o pulsar,
de Deus,
acordando comigo.
Observo 
as inexatidões passadas
e lavo-me
de brisa e cor.
Visto-me de presença
e deixo-me ser feliz.

Vanize Claussen
28/09/2013



Postagens mais visitadas