A VIAJANTE

Breve,
o silêncio
que me aporta,
onde os trilhos,
intactos,
começarão a girar.
A viagem começa,
agora,
de dentro para fora,
sob as rodas,
vagueantes de luz,
do trem.
São centelhas,
expandidas,
brilhantes
a faiscar
no giro.
A festa começa,
o céu acompanha,
há leveza em seu brilho.
As carretilhas do tempo
já rememoram infância,
tempo de não voltar,
apenas saudade.
A idade recupera a cor
das lembranças,
angariando certezas
sem juízo,
apenas deixar viver.
O instante aparelha,
aproxima e deixa ferver,
interior de arte.
A rotina sumiu,
soterrou-se,
e o algoz
é agora seu libertador.
Os cárceres,
para trás.
A viajante,
apenas observa,
das orelhas do trem,
os vaga-lumes.
Então,
os contornos,
corpo sedento,
alma alerta,
abrem-se na fulgaz
parceria de seguir,
apenas ir,
sem destino,
acontecendo agora.
A hora,
no relógio paralisado,
não voou,
apenas ficou parado,
enquanto ela seguia
seu destino de pérolas.

Vanize Claussen
15/10/2015


Postagens mais visitadas