FRAGRÂNCIA PERDIDA

Os rótulos
queimados e rotos,
envolviam
discrepâncias
de um ouvido surdo.
O que se dizia mudo,
alterava em palavras
visões de outrem,
fazendo imaginar
coisas de sua mente.
Insanamente,
num tom discreto,
colhia situações,
desenvolvia opções.
A noção perdida,
despida na sua
própria trama.
O desejo jogado,
fadado ao clima.
Tempo de não ver.
Incendiando,
entediado,
forçava esquecer.
mas a agulha,
palheiro inquieto,
o fazia ver, reviver.
O choro da perda,
imposição interrompida
da fragrância perdida.

Vanize Claussen
09/08/2016

Postagens mais visitadas